BUSCAR

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Corpo de Orestes Quércia chega ao velório e políticos lamentam sua morte

Alckmin e Alda Marco Antonio acompanham velório do ex-governador Orestes Quércia  
Alckmin e Alda Marco Antonio acompanham velório do ex-governador Orestes Quércia (Foto: Roney Domingos/ G1)

O corpo do ex-governador Orestes Quércia chegou por volta das 14h desta sexta-feira (24)  ao Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista, onde será velado.  O enterro será neste sábado (25) no Cemitério do Morumbi, na Zona Sul de São Paulo.

Políticos lamentaram a morte de Orestes Quércia. Veja as declarações abaixo:

Luiz Inácio Lula da Silva (presidente): "Recebo a notícia da morte do ex-governador de São Paulo, Orestes Quércia, com pesar. Nem sempre estivemos do mesmo lado na política, mas Quércia sempre foi da ala dos desenvolvimentistas, que pensam o país para além de seu tempo. Sua eleição para o Senado em 1974 foi um marco na luta pelo restabelecimento da democracia. Nesse momento triste, presto minha solidariedade a sua família, seus amigos e correligionários".

Dilma Rousseff (presidente eleita): "É com pesar que recebo a notícia da morte de Orestes Quércia. São Paulo e o Brasil vão se lembrar dele como um expoente da resistência democrática, um governador de muitas realizações e um defensor do desenvolvimento do país. Em todas as circunstâncias, foi um lutador."

Geraldo Alckmin (governador eleito de São Paulo): "Lamento muito a morte do ex-governador Quércia. Nosso sentimento é de oração e de solidariedade com a família. Quércia foi uma pessoa de posição forte que teve papel importante na redemocratização do país. Ele foi um excelente companheiro, entusiasmado e muito presente durante a campanha ".

Gilberto Kassab (prefeito de São Paulo): "Orestes Quércia teve atuação marcante na política nacional. Como vereador, prefeito, deputado estadual, senador, governador e dirigente partidário, carregou as bandeiras do municipalismo e do desenvolvimento. Desejo paz para sua família neste momento difícil."

Paulo Maluf (ex-governador e deputado federal eleito): “Tenho pelo governador Quércia o maior respeito pela obra que realizou no estado de São Paulo. Foi um municipalista, ajudou na base da economia, que é o município, fez muitas obras de vulto. É um exemplar filho, pai e marido. Deixa uma lacuna na vida pública paulista. Nosso relacionamento foi sempre muito respeitoso. Uma perda lamentável e deixa um vazio muito difícil de ser preenchido na política nacional. Nessa hora temos que rezar para que a família possa suportar a dor da perda.”

Itamar Franco (Senador eleito PPS-MG): "Ao amigo Quércia, relembro nossos primeiros passos no Senado, em 1975. Com Brossard, Gilvan, Evilásio, sempre estávamos juntos na tribuna da oposição e confiantes no Brasil democrático. Que lutas memoráveis! Mantivemos depois do Senado uma fraterna amizade – os sonhos mais pertos de realizar. Recebi sua mensagem de 2011 e, junto com sua esposa Alaíde, vocês falam em esperança, paz, saúde e amor.Amigo de lutas. É difícil acreditar e aceitar. Aqui ficamos a recordar e chorar."

Senador Sérgio Guerra (presidente do PSDB): "Convivi pouco com Orestes Quércia, mas quando nos encontramos, nos últimos três anos, a impressão que fica dessa convivência é de um político afirmativo e que honrava a palavra."

Senador Valdir Raupp (vice-presidente do PMDB): “Quércia ajudou muito o partido no momento que o PMDB cresceu. Ele foi prefeito de Campinas e governador de São Paulo em um grande momento do PMDB. Era para ele ter sido candidato à Presidência da República em 1989 e tinham pesquisas que indicavam ele na frente para a Presidência, mas o candidato foi outro e o Collor acabou eleito. O Quércia contribuiu muito com o partido, com o estado de São Paulo, fez um bom governo, e em nome do partido a gente lamenta seu falecimento”.

Senador Pedro Simon (PMDB-RS): “Estou muito abatido com a morte do Quércia. A gente sabia da situação dele e ele tomou uma atitude corajosa e aceitou concorrer ao Senado este ano, mas no meio da campanha teve uma crise e teve de se submeter a quimoterapia e renunciar a candidatura. Lamentavelmente a situação piorou e agora veio a falecer. É uma figura muito controvertida. Tínhamos muita divergência, mas há de se reconhecer seu papel importante no PMDB e na política brasileira. Lamento muito a morte dele e deixo um abraço para a esposa e os filhos. Discordei muito dele ao longo da vida, mas reconheço as coisas que ele fez, principalmente para o estado de São Paulo”.

Alda Marco Antônio (vice-prefeita de São Paulo): Quem o conheceu de perto sabe que o mundo perdeu um ser humano de grandes qualidades, um grande amigo e um grande político. Ele deixa uma lacuna em todos os que o conheceram.

Roberto Freire (presidente do PPS): "O PPS - Partido Popular Socialista - lamenta o falecimento do ex-governador Orestes Quércia e se solidariza com a família e amigos. Com sua morte, São Paulo e o Brasil perdem um político que foi fundamental na luta pela redemocratização. Eleito senador por São Paulo na histórica eleição de 1974, que marcou a ascenção da oposição democrática ao regime militar, juntou-se a outros expoentes do MDB para conquistar a democracia que as atuais gerações desfrutam."

Nenhum comentário: