BUSCAR

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

OS POLÍTICOS DE HELIÓPOLIS, SEGUNDO ZÉLIA

Quando aqui eu faço críticas ao péssimo administrador que é o Walter Rosário, e  sua equipe, soam, na maioria das vezes, como revanchismo, vingança ou oportunismo. Tudo isso, claro, dada a minha posição de esposo da principal opositora ao prefeito, que é a vereadora Ana Dalva, e também ao meu claro posicionamento político contra os desmandos em Heliópolis.

Mas hoje eu quero passar o depoimento de uma pessoa longe de quaisquer suspeitas: a ex-vereadora Maria Zizélia, ou Zélia de Antonio Jackson, que apoiou o atual prefeito em 2008.Não vamos aqui tratar de nomes. Falemos de modo genérico. É claro que Zélia deu nome aos bois, mas é prudente não citá-los para evitar senões.

Fato é que nos encontramos ao lado do Banco do Brasil de Ribeira do Pombal. Zélia está hoje gerenciando um supermercado e foi claro ao dizer que não quer mais fazer política em Heliópolis e está lutando para que Antonio Jackson se afaste definitivamente. É o mesmo que pedir a um alcoólatra distância da branquinha. Ela sabe que Jackson gosta de Heliópolis e da política. Mas ela buscou inúmeros argumentos para provar o seu temor.

"Os políticos viraram mercadoria!" Zélia se queixou da facilidade com que os políticos de Heliópolis, em sua esmagadora maioria, têm de virar de lado até mesmo por um simples cargo, emprego ou propostas de outro quilate. Queixa-se de que, depois de um grupo pronto e organizado para ganhar uma eleição, vem um financiador qualquer e com uma bagatela literalmente compra o passe e apoio de um político, ou até da família toda. E olhe que tem gente que não precisaria das benesses. Tem gente que vive bem, tem patrimônio e negocia o voto ou o apoio.

"Quem menos precisa mais pede." Zélia também afirma que, quando era vereadora, teve que engolir coisas para manter o mandato. O povão, para ela, era quem menos pedia. O povo pede o direito sagrado: educação, saúde, transporte. Mas são os de posses, os que têm do que viver, aqueles que mais pedem. Ela um dia teve que providenciar dez reais para dar a uma eleitora que tinha mais patrimônio que ela própria. Pior é que Zélia afirma que não se pode nem educar esse povo explorador porque os políticos de Heliópolis não dão o exemplo.

"No poder a cara é outra!" Para Zélia Maranduba, todos os políticos que chegaram à prefeitura de Heliópolis mudaram o comportamento. Começam já mudando a forma de falar e de atender as pessoas. Imaginem quando se trata de cumprir com promessas. A ex-vereadora lamenta que até a criação familiar fica comprometida. Alguns filhos de prefeitos de Heliópolis transformam-se em deseducados no poder. Vivem a beber por aí esbanjando arrogância e afirmando que é por conta do povo otário de Heliópolis. Um absurdo!

Por tudo isso e mais algumas coisas, a ex-vereadora, visivelmente magoada com o grupo que ajudou a retomar o poder em Heliópolis, não quer saber de política por aqui e já pediu a Antonio Jackson para não pensar em 2012. E aqui, para encerrar, posso dizer que, pensando assim, Zélia Maranduba já é membro do chamado 3º grupo, ou 3ª via. O problema é ela acreditar nisso. Postado pelo Professor Landisvalth dos Santos Lima no landisvalth.blogspot.com

Nenhum comentário: